17 Mitos Sobre SEO Que Você Nunca Deveria Seguir

facts

Como eu aumentei meu tráfego de busca em 13.15% em apenas 30 dias?

Eu segui um plano, aproveitei um mercado faminto, criei um conteúdo bem detalhado apoiado por estatísticas e dados, resolvi um determinado problema e fiz uma divulgação em alguns blogs. Essa estratégia parece muito básica, mas é assim que se faz um SEO vitorioso.

A verdade é que a conversão de tráfego de busca é melhor do que o tráfego que vem das mídias sociais em 9%. Mas para conquistar isso, você precisa parar de acreditar em alguns mitos sobre SEO.

image05

Esses mitos sobre SEO geralmente dão muito trabalho para blogueiros e profissionais de marketing de conteúdo para melhorar o tráfego de busca e a classificação.

Alguns SEOs afirmam que são afiliados do Google. Esse é um grande mito porque o Google não divulga quem são seus parceiros e afiliados. Então se um consultor de SEO ou agência promete te colocar no topo da classificação pelo preço “baixo” de $499 dólares por mês, isso é SCAM. Ninguém pode garantir o topo da classificação do Google.

Sem mais delongas, aqui estão 17 mitos sobre SEO que você deveria ignorar. Eu também forneci algumas dicas sobre qual caminho você deve seguir.

Faça o download deste checklist para ficar bem longe desses mitos sobre SEO.

Sem nenhuma ordem em particular, os mitos sobre SEO são:

Mitos sobre SEO nº1.    Pesquisar palavras-chave se tornou irrelevante depois do Google Hummingbird

Hummingbird mudou o futuro das buscas. Ele levou os produtores de conteúdo a adotarem uma nova mentalidade que irá beneficiar o usuário final. Se palavras-chave ainda aparecem na primeira página do Google, é um indicador de que isso ainda funciona.

image11

De acordo com Matt Cutts, chefe da equipe WebSpam do Google, 90% das buscas são previstas de serem impactadas pelo Hummingbird, o que não foi uma atualização como a do Panda e Penguin, mas sim uma reformulação total do algoritmo de busca.

Hummingbird

Rand Fishkin, fundador do Moz, disse que menos de 15% da equação do ranking é baseada em direcionamento de palavra-chave. Em vez disso, ele sugere focar em oferecer valor único, em vez de conteúdo exclusivo, que é o que os SEOs tentavam alcançar antes.

image43

No entanto, seria errado dizer que direcionar palavras-chave relevantes em seu conteúdo não é mais útil.

Pesquisa de palavra-chave e direcionamento tem se tornado fácil atualmente, porque com o Hummingbird você não tem que se preocupar em obedecer uma determinada relação de palavras-chave. De preferência, foque na intenção de quem faz a busca.

Por exemplo, por que alguém iria pesquisar sobre “ferramenta CRM para pequenas empresas”?

  • A pessoa quer comprar uma ferramenta de CRM?
  • A pessoa está querendo ler alguns reviews honestos?
  • Quem está fazendo a busca é um iniciante que não faz a menor ideia de para quê serve o CRM?

O que a mudança do algoritmo do Hummingbird realmente fez foi mostrar para nós a importância de saber a razão pro trás de uma palavra-chave em particular, e criar conteúdo para atender a essas necessidades.

Isso significa que as palavras-chave ainda são importantes, porque sem elas, você não tem como saber qual é a intenção de quem faz a pesquisa.

Muitas plataformas de autoridade como o Twitter, Facebook, YouTube, Instagram, Pinterest e outras, contam com direcionamento de palavra-chave para atingir as necessidades das pessoas.

image44

É quase impossível encontrar exatamente o que você está procurando, exceto se você usar palavras-chave na pesquisa. De acordo com Brian Dean, “Palavras-chave são como um compasso para suas campanhas de SEO; elas te dizem onde ir e se você está tendo algum progresso, ou não.

Mitos sobre SEO nº2.     Ter um sitempap XML  irá impulsionar sua classificação de busca

Você já instalou o gerador de sitemaps XML do Google em seu site WordPress? Um sitemap pode impulsionar suas classificações de busca? Nos fatores de classificação abaixo, você não encontrará sitemaps XML em lugar nenhum.

image59

Mas um sitemap XML é necessário se você quer construir um site rastreável. Cada vez que você cria um novo post ou edita um post existente, o gerador de sitemap XML do Google vai criar um sitemap atualizado com suas novas páginas e submetê-las ao Google e outros mecanismos de busca.

Casey Henry experimentou os sitemaps para descobrir se eles podem ou não impulsionar as classificações de busca. O que ele descobriu o surpreendeu.

Quando ele instalou o gerador de sitemaps XML do Google em um site de um cliente, levou em média 14 minutos para o Google indexar novas páginas.

image60

Antes dele instalar o gerador de sitemaps, levava 1.375 minutos.

image03

Então nós sabemos que um Sitemap XML ajuda os mecanismos de busca a rastrear e indexar páginas novas mais rápido. Mas isso melhora as classificações de busca?

Bem, de volta a 2008, Trevor Foucher e Susan Moskwa da equipe do Webmaster Tools falaram no Sitemaps Panel no Search Engine Strategies em Chicago. Uma das perguntas que mais fizeram a eles foi: “Um sitemap ajuda a classificar melhor?”

Aqui está a resposta do Trevor: Um sitemap realmente não afeta o ranking atual das suas páginas. Sitemaps são como uma ajuda – um guia que dá mais informação sobre seu site ao Google, certificando-se de que todas as suas URLs estão indexadas para um rastreamento fácil.

É claro, ele pode te direcionar a uma maior visibilidade do seu site eventualmente, quando as URLs são priorizadas, mas isso não é uma garantia.

Uma dica rápida: Se você não está pronto para usar o gerador de sitemaps XML do Google em seu site WordPress, você deveria instalá-lo agora. Não há garantias que seu ranking irá melhorar, mas isso vai ajudar o Google a descobrir seus conteúdos novos mais rapidamente.

Mitos sobre SEO nº3.    Meta tags não importam

image18

Meta tags são tags de HTML que aparecem entre a abertura e o fechamento das tags <head>. Elas são usadas para mostrar um preview de snippets para uma página específica em alguns resultados de busca.

image47

Tem havido muito debate no mundo do SEO sobre o impacto da meta tag, especialmente pós-Hummingbird.

Curiosamente, Danny Sullivan escreveu um artigo detalhado sobre a “morte das meta tags,” para discutir um pouco mais o estado das meta tags, e por que elas podem não ser tão úteis nos dias atuais do SEO.

Os 3 elementos de uma meta tag são:

Nota: O title tag aparece na seção <head> da sua página, mas é um elemento necessário da página. A meta descrição e palavras-chave, por outro lado, são elementos de página opcionais. Sem a meta descrição, no entanto, o Google pode puxar algum texto do corpo da página como um trecho de pré-visualização.

Matt Cutts disse que Google não usa meta tag de palavras-chave na classificação das páginas. Ainda assim meta tags ainda são relevantes, e faz sentido gastar um tempo nelas.

Adicionar meta tags podem não impulsionar suas classificações de busca, mas elas ajudam aos usuários e aos mecanismos de busca a informar sobre do que se trata o seu site, diz Kristine Schachinger.

Meta tags também farão com que seus resultados de busca sejam mais atrativos, e isso pode atrair mais cliques por meio das buscas dos usuários.

Você pode cuidar das suas palavras-chave, title tags e descrições com o plugin WordPress All In One SEO.

image20

Para criar meta-descrições ricas, use estas dicas:

image52

Mitos sobre SEO nº4.    Use metatag robots para especificar páginas indexadas

O arquivo Robots.txt diz para os robôs dos mecanismos de busca quantas seções (páginas, links, etc.) do seu site rastrear e indexar, e quais ignorar.

image57

código fonte se parece com isso em seu arquivo HTML:

image22

No entanto, você pode facilmente colocar tags noindex e nofollow usando os plugins de WordPress Yoast ou All in One SEO.

image12

Nota: Você deveria somente marcar o botão NOINDEX se você deseja que a página seja privada e não pública.

Então isso significa que sem especificar as metatag robots o Google não irá encontrar suas páginas novas?

Eu acho que não. Não me lembro a última vez que eu especifiquei quantas quais páginas o Google deveria indexar. A menos que você queira especificar páginas privadas, não há necessidade de se aborrecer com isso.

Você pode usar o arquivo Robot.txt para bloquear todos os crawlers do seu conteúdo, uma pasta ou página específica.

Mas se você não precisa bloquear os crawlers, então não se incomode. Economize seu tempo e o direcione para alguma coisa mais importante.

image31

Mitos sobre SEO nº5.     Domínios top-level melhoram a classificação

Um domínio top-level (ou domínio de topo) ocupa a posição mais alta na hierarquia do sistema de nomes de domínio. A maioria dos usuários irá reconhecer o .com como uma extensão de um site, mas podem se confundir quando encontram .biz ou .guru.

Isso é em parte porque quando você digita qualquer palavra-chave dentro da busca do Google, 98% dos resultados de busca são domínios com nome .com. Vamos ver:

image46

A única exceção que eu sei é do geo-direcionamento de domínios dos países. Se eu moro no Canadá mas tenho um domínio .com, o Google irá presumir que minha audiência é global e mostra minha página da web nos seus mecanismos de busca para uma audiência global.

Por outro lado, um site canadense no mesmo segmento e que tenha a extensão .ca irá aparecer primariamente para os usuários desse país.

Em termos de conversões, domínios, .com tem alcançado resultados tremendos para muitas pessoas.

image61

Em 2007, antes das atualizações do algoritmo do Google, ICANN introduziu novos nomes de domínios top-level genéricos – por exemplo, .guru, .club, .company, .email.

image58

Mas o .com ainda supera todos eles, em termos de uso global.

image23

Alexandros Ntoulas e sua equipe descobriram que domínios top-level são os principais culpados por spam na web.

pesquisa deles mostrou que domínios .biz, .us, e .com são os três grandes propagadores de spam na web. E isso inclui links que o Google usa para classificar as páginas em seus mecanismos de busca.

image21

Os novos TLDs irão afetar o SEO? Bom, é muito cedo para saber, mas aqui está o que Matt Cutts e Dr. Pete Meyers tem para dizer:

image16

O principal fator para se saber se TLDs tem um efeito sobre o SEO é se o domínio contem palavras-chave. É claro, você e eu sabemos que ao combinar nomes de domínios exatos (EMD) você pode ser penalizado .

Tudo ainda se resume ao valor que você oferece com o nome do seu domínio. Durante os dias de atualização, a classificação média do EMD saltou de 13.4% para 26.6%. Ou seja, palavras-chave com o mesmo nome no domínio tiveram uma queda na classificação média depois dessa atualização.

Mas esses dados não deveriam te assustar, mas sim te orientar. Agora você sabe que quando escolher domínios top-level, o que importa é o benefício da sua marca a longo prazo, quando você for registrar um nome de domínio profissional e memorável.

A ressalva: Se você não registrou nenhum domínio ainda, eu te aconselharia a escolher domínios top-level (.com e .net).

No entanto, se você já tem um site, apenas decida focar em oferecer valor, criar conteúdo de alta qualidade, e usar a mídia social para se conectar com influenciadores que irão te ajudar a promover seu conteúdo. Eu tenho visto nomes de domínios com extensões estranhas indo bem nas pesquisas, como o Paper.li.

image19

Esse site atualmente ranqueia para a posição #4 para uma palavra-chave de grande volume (criar jornal onilne) com muita concorrência.

image45

Isso te mostra claramente que não se trata mais de extensões de domínio top level, mas do valor que seu site oferece.

Mitos sobre SEO nº6.     Incluir uma palavra-chave direcionada no texto âncora não importa para o SEO

Quando você trabalha com link building, você deve usar palavras-chave no texto âncora?

Um texto âncora é a parte clicável do hyperlink (ex: Neil Patel). O texto âncora dentro do parênteses é “Neil Patel.” Quando clicado, aquela frase direciona o usuário para o blog.

Muitos especialistas do segmento acreditam que o texto âncora permanecerá como um a fator de classificação para sempre, não importa quais mudanças venham com a próxima atualização do Google.

image06

Então o texto âncora de palavras-chave ricas ainda ajudam a impulsionar a classificação?

objetivo de toda atualização ou mudança de algoritmo é ajudar os usuários a encontrarem os sites certos que tenham as informações que eles precisam, de maneira amigável.

Over-optimization (otimização em excesso) pode te fazer ser penalizado pelo Google. Antes do Google Penguin, você podia usar textos âncoras de palavras-chave ricas nos posts do seu blog, ambos para links internos e externos (isto é, linkar para outros sites).

No entanto, há uma pequena mudança agora. É claro, links contextuais tem de 5-10x mais poder na classificação do que o link para o perfil do autor que aparece em seus guest posts, por exemplo.

Mas o uso excessivo de textos âncora com palavras-chave poderá afetar negativamente a classificação do seu site. Link cruzado com texto âncora é igualmente arriscado, então evite isso.

image29

Mas dizer que texto âncora de palavra-chave não será mais relevante nas classificações de busca não é algo preciso. Em outras palavras, é um mito.

Mude sua abordagem. Diversifique seu texto âncora, e se certifique que suas palavras-chave primárias e secundárias, tais como sua marca, URL e palavras-chave genéricas sejam usadas nos textos âncora.

image62

Pessoalmente, eu gosto de construir links naturais, é isso que o Google quer. Você não pode ser mais esperto do que um engenheiro que gasta horas por dia criando algoritmos mais espertos. Então fique de fora do radar do Google e evite ser penalizado.

Depois da atualização do Penguin, a maioria dos sites com texto âncora otimizado foram penalizados. Por outro lado, aqueles sites com textos âncoras diversificados experimentaram um crescimento, e somente alguns deles foram afetados negativamente.

image00

Existem muitos tipos de textos âncora que você pode usar, mas vamos detalhar e determinar quais funcionam melhor.

Primeiro, reconheça que construção de marca é o caminho mais fácil de se destacar positivamente aos olhos do Google. Então você pode seguir esta estratégia de texto âncora:

image54

Em resumo, os três tipos de texto âncora que você deveria focar, são:

i).    Texto âncora natural: Poderia ser uma palavra-chave, marca ou texto âncora de URL, mas é preciso fluir naturalmente com o resto do conteúdo. Esses são em sua maioria links editoriais, e irão definitivamente impactar em suas classificações. Por exemplo:

image34

Matt Cutts tem defendido texto âncora natural há um bom tempo. Ele funciona, mas o objetivo primário do Google é criar a melhor experiência para seus usuários.

image40

ii).     Texto âncora na marca ou URL: Se você quer construir texto âncora para sua marca ou URL, você deveria fazer isso bem. Aponte para texto âncora da marca em cerca de 90% dos seus links.

Por exemplo, NerdFitness é um site com autoridade para entusiastas do fitness. Existem milhares de palavras-chave que o autor poderia usar para construir links, mas ele não usa.

image28

Em vez disso, a maioria dos seus textos âncora que apontam para suas páginas são para o nome da marca, URL da marca e URL vazia (por exemplo, nerdfitness.com).

image42

SmartPassiveIncome também tem mais texto âncora para marca e URL.

É claro, você não pode controlar o texto âncora que outra pessoa usa para linkar para sua página. Mas, se você tem a oportunidade através do guest blogging ou entrevistas, oriente de forma clara o texto âncora da palavra-chave.

Ou melhor ainda, use sua marca + palavra-chave (ex: Link Building do Brian Dean).

Você também pode usar URLs de marca como texto âncora (ex: “Para saber mais sobre o crescimento da pirataria, visite http://neilpatel.com.”)

iii).    Texto âncora genérico: Geralmente é referido como um “texto âncora barulhento.” Não o utilize excessivamente, porque ele pode se tornar over-optimized (otimizado em excesso).

image10

De acordo com Search Engine Watch, mais da metade de todo texto âncora tem de uma a três palavras. Isso significa que ao usar palavras-chave genéricas, você deveria mover de uma palavra para três ou mais pelo menos (ex: aprenda mais aqui, visite o site, veja a homepage, comece ainda hoje).

image27

Pelo menos 5% dos seus textos âncora deveriam ser genéricos, especialmente quando você está fazendo link externo para uma página irrelevante.

Por exemplo, se eu quero fazer uma referência para um site de esporte do meu blog, eu usaria palavras-chave genéricas.

Veja como seria no parágrafo abaixo:

Quando comecei a trabalhar com blog eu estava fazendo tudo errado, até que um amigo meu do Canadá, que tem um site de esporte, me aconselhou a me aproximar do meu nicho e focar em um pequeno grupo que tivesse um potencial. Você quer dar um alô para ele? Clique aqui.

Conclusão: Texto âncora de palavra-chave ainda é importante, mas use essa abordagem com sabedoria e diversifique o que puder.

Mitos Sobre SEO nº7.     Google irá encontrar seu conteúdo novo e indexá-lo

Otimização do rastreamento é um assunto importante que vou falar mais detalhadamente em um artigo futuro. Por agora, vamos dizer que ele se refere a coisas que você faz para descobrir, rastrear e indexar seu conteúdo novo facilmente.

image08

Os robôs dos mecanismos de busca se alimentam de conteúdo fresco. Quando seu novo artigo é publicado, isso significa que você preparou uma refeição para eles. Mas isso significa que o seu conteúdo será rastreado e indexado sem sua contribuição?

Claro, isso pode acontecer – mas isso pode levar até dois dias, especialmente se seu blog é muito novo. Para manter a bola rolando, você deveria ajudar os spiders a descobrirem seu conteúdo novo.

Esse é um dos benefícios de se instalar o plugin gerador de sitemap XML do Google para seu WordPress. Você não tem que fazer nada. É só ativar o plugin.

No momento que você aperta o botão “publicar”, um novo sitemap XML é gerado e enviado para os principais mecanismos de busca e diretórios. Isso não é uma forma de manipular, e ajuda o Google a indexar seus novos conteúdos o quanto antes.

Atualizar seus perfis sociais te darão conteúdo novo indexado primeiro. Isso é muito simples, apenas compartilhe seu link no Facebook ou Twitter.

Outra ferramenta simples que funciona para mim é o Pingomatic. Ele é um serviço para informar a diferentes Ferramentas de Busca que o seu blog tem uma atualização. Usando esse serviço gratuito consegui indexar meu conteúdo dentro de seis horas.

image50

8.     Contratar uma agência de SEO para chegar no topo da classificação rapidamente

Esse é o mito mais interessante de todos. Como um agência de SEO ou um especialista pode garantir o topo do Google atualmente?

Claro, existem várias razões pelas quais você precisa de uma agência SEO, especialmente para análises de palavras-chave e monitoramento da concorrência. “Classificação rápida” não é uma dessas razões.

Bar chart business growth

A verdade é que o Google lida com mais de 100 bilhões de pesquisas por mês. Uma vez que nenhum SEO pode prever as palavras-chave do futuro, é quase impossível para qualquer um garantir rapidamente a classificação.

Quase oito anos depois que eu escrevi meu primeiro post em blog, eles agora recebem 700.000 visitas por mês. Eu publiquei 614 posts nesse tempo.

Eu sei que existem muitos blogs por aí afora com parte do conteúdo que já publiquei que geram mais tráfego a cada mês. Isso te diz que muitos fatores impactam sua classificação no Google, incluindo o tempo.

Eu nunca prometo aos meus clientes que eu tenho a fórmula mágica quando o assunto é SEO e classificação. Claro, eu sei que a melhor forma de abordagem se eu quiser melhorar a classificação dos meus clientes, é especialmente por meio de palavras-chave de cauda longa. Mas eu não posso garantir a classificação no topo.

Escute: SEO é uma prática de longo prazo. Se você está desesperado para classificar no top 10 do Google da noite para o dia, ou alguns meses depois de ter começado seu blog, você está cometendo um erro gravíssimo.

Nomes de domínios criados há mais tempo, links de autoridade, e conteúdo detalhado sempre podem impulsionar sua classificação, mas eles não são garantia, também. Existem muitos sites por aí afora que cumpriram esses requisitos mas ainda lutam para obterem melhores resultados no Google.

Se você tem verba no orçamento de marketing da sua empresa, existem boas razões para se contratar uma agência SEO:

  • Você não tem tempo para executar seu site.
  • Você quer melhorar seu tráfego de busca.
  • Você quer ajuda com pesquisa de palavras-chave de cauda longa.
  • Você quer se manter atualizado no segmento de SEO.
  • Você quer ser treinado por uma agência.

Mas você não deveria contratar uma agência SEO que promete te colocar no topo rapidamente. Mesmo que de alguma forma eles tenham sido bem-sucedidos ao colocar seu site na posição #1  sem uma base sólida, sua classificação pode cair e você perderá mais do que ganhou.

SEO é orientado para empreendedores digitais com uma visão de longo-prazo que entenderam que precisam ajudar aos usuários a encontrarem as respostas que eles precisam.

Mitos Sobre SEO nº9.    Guest blogging está morto

Houve um alvoroço em 2014 quando Matt Cutts disse que “se você está usando guest blogging como maneira de conseguir links … pare.” Vários SEOs que não entenderam exatamente o que ele quis dizer, pararam imediatamente de praticar o guest blogging.

Então, o guest blogging está morto?

image32

Não existe diferença técnica entre conteúdo de guest-blogging e qualquer outro tipo de conteúdo. Guest blogging simplesmente significa que um convidado (guest) contribuiu com um conteúdo em seu blog.

O que Matt Cutts quis dizer é sobre conteúdos de baixa qualidade em blogs escritos por autores de fora. Mas mesmo onde o autor seja o proprietário do site, a atualização do Google Panda já começou a punir conteúdos de baixa qualidade.

Mecanismos de busca indexam bilhões de páginas, de diferentes domínios, endereços de IP, localizações e por aí vai. E essas páginas são de diferentes pessoas. Isso é interconectividade.

image65

Pense sobre isso: conteúdo em sites de grande autoridade geralmente é feito por freelancers e autores de fora! Sites como o New York Times, eHow, BusinessWeek, Inc., CNN, Mashable e outros, contam com conteúdos escritos não só pelo “dono do site” sozinho, mas por centenas de outras pessoas.

image02

Quando se trata de guest blogging, não é nem o convidado nem o conteúdo que é o problema, mas o contexto: o tipo do artigo, sua singularidade, os textos âncoras e os links apontando para o site e do site.

Pessoalmente, eu acredito que o guest blogging não está morto. E ele nunca irá morrer, porque o Google não pode decifrar com exatidão o que é um “guest post”, especialmente quando o link do autor está no corpo do texto e não no perfil do autor.

Uma das maneiras que eu cresci o tráfego do meu blog em 206% foi por meio do guest blogging. Isso também ajudou o Louis Gudema com o SEO.

Até o próprio Matt Cutts mais tarde reforçou o guest blogging:

image38

Da mesma forma eu ainda recomendo guest blogging, contanto que você siga estas dicas simples:

  • Evite blogs de spam: Se o blog não tem conteúdo único, evite-o.
  • Não chame os textos de “guest posts”: Isso é importante. Google pode identificar no texto a expressão “esse é um guest post.” De preferência, escreva como se você fosse um colaborador de casa. Não importa de onde o guest post vem, contanto que ele seja útil.
  • Construa relacionamentos, não links: Não tente ter seu guest post publicado em um blog confiável só por causa do link. Se é essa sua mentalidade, você irá perder um relacionamento.
  • Construa sua marca: Use a sua marca ou URL como texto âncora para criar link building natural.
  • Links contextuais: Sempre que possível, tente manter seus links dentro de um contexto, não no perfil do autor quando ele não tem muito peso.
  • Use guest blogging cuidadosamente: Foque no usuário final. Crie conteúdo que o faça pensar – que interage com eles e resolve seus problemas. Engaje-os, responda os comentários e construa uma lista de email.

Mitos Sobre SEO nº10.     Pesquisa de palavra-chave não é necessária

Pra começar esse mito é perigoso. Como profissional de marketing de conteúdo e blogueiro, você não pode se dar ao luxo de ignorar pesquisas de palavra-chave.

Nenhuma atualização do Google eliminou a importância das palavras-chave. Obviamente, se todos os outros fatores estiverem presentes, você provavelmente vai conseguir mais clicks quando sua página web aparecer no topo.

image41

O que você deveria evitar é a otimização exagerada, uso excessivo de textos âncoras de palavra-chave, e Domínios de Combinação Exata (EMD – Exact Match Domain). Foque no ROI em vez do topo da classificação para aquela palavra-chave. Depois disso, se você se classifica na posição #1 ou #5, o que importa é o retorno que você tem.

Google keyword planner ainda é a ferramenta de pesquisa de palavra-chave mais precisa por aí afora. A maioria das outras ferramentas conta com o Google. Ainda assim essas outras ferramentas também são úteis.

image37

Além de usar o Google keyword planner para pesquisar suas palavras-chave, você poderia também conferir quais palavras-chave seus concorrentes estão direcionando.

É fácil de fazer. Primeiro, vá até o SEMrush. Digite a URL do concorrente na caixa de busca.

image51

Depois, clique no botão verde de “busca”. Desça a barra de rolagem para encontrar palavras-chave primárias que seus concorrentes estejam utilizando:

image07

Pesquisa de palavra-chave ainda é muito relevante. Mas para se manter a salvo, foque na intenção do usuário por trás da pesquisa, não apenas nas palavras-chave por si só.

Mitos Sobre SEO nº11.     Busca paga melhora o resultado orgânico

Pode o PPC (pay per click) do AdWords ajudar na classificação orgânica?

Eu acho que não. Não há correlação aparente entre classificação orgânica e paga. Ambas funcionam em terrenos diferentes. Os resultados de busca orgânica vem da indexação da base de dados, enquanto o links patrocinados PPC são baseados na sua oferta e investimento total.

image14

De acordo com o relatório da MarketLive, a taxa de conversão do tráfego pago é atualmente de 35%. Isso é maior do que o tráfego orgânico.

Com anúncios pagos, você pode direcionar palavras-chave e facilmente testar diferentes campanhas. Mais importante do que isso, você pode fortalecer a sua identidade de marca quando seu anúncio pago aparece acima das classificações de busca.

image49

Aaron Bradley explicou que a busca paga pode ajudar a definir e refinar as palavras-chave que você direciona de forma orgânica, através de dados apurados. Afinal, é muito mais fácil medir o ROI de uma busca paga do que uma lista de busca orgânica.

Ele passou a dizer que o CTR (click-through rate – taxa de cliques) em anúncios pagos te darão um insight dentro das melhores palavras-chave para otimizar suas buscas orgânicas.

Então não resta dúvida que a busca paga pode ajudar a melhorar a taxa de conversão dos resultados orgânicos, mas não necessariamente ajudar na classificação.

Mitos Sobre SEO nº12.    Solicitar uma lista no Google irá aumentar o tráfego orgânico

Google Places é uma lista de negócios oficiais que inclui o número de telefone e endereço da sua empresa. Colocar seus dados na lista do Google Place é muito importante.

Você basicamente está dizendo para o Google listar seu negócio na área onde você tem a maior parte dos clientes.

image09

Depois de preencher o formulário, você irá passar por um processo de verificação, por meio de uma ligação imediata para verificar seu número pin.

Mas a simples listagem do seu negócio no Google não irá melhorar sua classificação de busca. Veja algumas das coisas que você deverá fazer para obter a classificação que você quer:

i).  Seja consistente: Copyblogger Media disse que nem o Google nem o Bing está feliz com inconsistência. Em outras palavras, você não deveria mudar o nome do seu negócio amanhã, voltar ao Google, pegar a lista e nos próximos meses mudar para “Alguma Outra Coisa.”

A fim de se manter consistente, use os mesmos detalhes do guest blogging no seu perfil de mídia socia e em todos os sites que você tem algum destaque.

ii).  Alcance local: Consiga outras pessoas para falarem sobre sua lista no mapa. Peça a elas para criarem um link para sua página local. Você pode usar sempre o Open Site Explorer para encontrar quem gerou um link para seu site, e avisá-lo sobre a lista da sua empresa.

Punch Bug Marketing destaca 5 maneiras de melhorar sua classificação de busca local abaixo:

image04

Mitos Sobre SEO nº13.      Google odeia link building blackhat

O que muitos SEOs chamam “blackhat” realmente não é. Na verdade, muito do que você está fazendo que parece “whitehat” é realmente “black” disfarçado.

image39

Quem tem a melhor definição das melhores práticas e guias de SEO que você deveria seguir em seu site? Google. Veja o que eles disseram no blog do Google webmasters.

image36

Você pode encontrar guias do Bing bem aqui.

Em primeiro lugar, SEO blackhat tem mais a ver com a maneira pela qual você constrói links, escreve conteúdo, network, ou se conecta com outras pessoas. Muitas pessoas acham que deixar comentários em blogs é uma técnica de SEO blackhat, mas isso não é verdade.

image63

A questão a ser feita é: qual é o valor dos meus comentários no site? Estou adicionando valor ou apenas procurando por links?

Se você não está adicionando valor, então essa é uma técnica blackhat.

Você sabia que muitas pessoas usam guest blogging de maneira errada? Acredite em mim, isso é blackhat, também. Qualquer prática de SEO que não é centrada no ponto de vista do usuário é blackhat.

As práticas de SEO whitehat podem levar um tempo para dar resultado, mas elas serão sustentáveis.

image01

Eu não recomendo a compra de link, pois o Google a listou como técnica blackhat. Mas se o link irá beneficiar os usuários, você deveria seguir em frente e fazer isso de qualquer forma?

É claro. O objetivo do Google é dar aos usuários a informação correta de maneira que eles possam voltar no futuro para fazer algum outro tipo de pesquisa. É assim que o Google faz dinheiro, porque eventualmente seus anúncios serão clicados.

Então as práticas de SEO whitehat são aquelas que se preocupam com a experiência do usuário, e o Google ama isso.

Por exemplo, marketing de mídia social é whitehat, mas intrigas na mídia social pelas quais você tenta manipular as classificações de busca obtendo o maior número de pessoas para fazer algum tipo de menção, tweet e compartilhamento do seu link nos perfis delas, isso é blackhat.

Google não odeia a plataforma – mas sim, odeia o que é feito na plataforma. Um blog WordPress é uma grande plataforma, mas o que acontece lá pode ser black ou white hat.

Mitos Sobre SEO nº14.    Conteúdos longos = topo da classificação

Conteúdos longos podem melhorar sua classificação, mas isso não é tão simples. No que diz respeito ao SEO, existem muitos fatores que contribuem para um site de alta qualidade.

image67

E para classificar no Google nesta era Hummingbird, foque na intenção do usuário e ganhe links editoriais. Esses são os caminhos mais fáceis.

A questão é que as pessoas consideram conteúdos bem detalhados como valiosos. Mas na verdade, grande parte dos artigos longos não são tão valiosos para o usuário.

O que você deveria se perguntar é: “A conteúdo da página tem um valor significativo quando as pessoas o comparam com outras páginas nos mecanismos de busca?”

Quando eu analisei alguns dos melhores resultados, descobri que o conteúdo longo ranqueia, mas não na #1 posição.

Em resumo, conteúdo longo pode melhorar sua classificação, mas aqui estão algumas coisas para se ter em mente:

image30

Mitos Sobre SEO nº15.    Link externo para sites com autoridade expulsam seus visitantes orgânicos

Obviamente, link externo para outros blogs mandam seus visitantes embora. Mas muitos sites populares tiveram sucesso porque eles sempre linkaram para outros sites.

Por exemplo, o blog que você está lendo agora é o meu blog mais novo. No último mês, ele gerou 46.000 visitantes.

image24

Eu sempre crio link externo para blogs relevantes. Eu não retenho esses links, pensando que meus leitores irão me deixar e nunca mais voltar. Veja quantas páginas eu linkei no post abaixo:

image66

O que eu sei é que desde que meu conteúdo seja útil, prático, com muito detalhe e persuasivo, mesmo quando os leitores clicarem em um link e o deixarem, eles irão voltar.

Muitas vezes nós nos esforçamos para ganhar links de sites com autoridade como o CNN, Mashable, Business Insider, BoingBoing, e sites .gov e .edu porque nós sabemos que os links que vêm desses sites irão impulsionar nossa classificação de busca. E existem sites de autoridade em todos os tipos de segmento.

Deixando esses de lado, você pode encontrar sites com autoridade similar. Vá até o similarsites.com, digite a URL de um dos sites com autoridade (ex: ConversionXL), e clique.

Aqui estão alguns sites parecidos com o ConversionXL que você poderia criar um link externo também:

image15

Da mesma forma, quando você cria um link de saída para sites amigáveis com o Google, especialmente páginas que tem relevância com o conteúdo que você está escrevendo, Google irá rastrear seu site e seguir esses links para o site confiável.

O Google pode não ter expressamente afirmado que isso melhora sua classificação, mas durante anos escrevendo conteúdos e fazendo SEO, eu acho que isso é verdade.

Siga estas dicas simples quando criar um link externo para um site com autoridade para se manter seguro e colher os frutos:

  • Crie link de saída para uma página com conteúdo de alta qualidade.
  • Coloque um link de saída somente quando necessário.
  • Use a marca ou URL do site de autoridade no seu texto âncora.
  • Encontre páginas relevantes e sites de autoridade para criar links para eles.
  • Se você puder, informe a esses proprietários de sites e blogueiros quando você criar o link para eles (você pode ganhar um tweet ou um link natural).

Mitos Sobre SEO nº16.    Tags H1 são elementos importantes que aumentam a classificação de busca

Antes do Google Panda, todas as coisas que você fazia para otimização on-page tinham muito peso aos olhos do Google. Mas os tempos são diferentes agora.

H1s são elementos importantes, mas não há indicação de que eles possam impulsionar sua classificação de busca.

Chris Butterworth conduziu um experimento para determinar a eficácia dos elementos H1 – H6 nas classificações. Depois de duas semanas, ele descobriu que, quanto maior o número, menor a classificação. Nas palavras, um elemento unstyled <p>  classificou melhor do que um elemento styled <h1>.

image53

Há um tempo atrás, eu assisti a um vídeo de 50 segundos onde Matt Cutts respondeu muitas perguntas em comum. A pergunta é do Nik. Aqui está:

image48

Nik está preocupado que o spider pode não saber o que está acontecendo em sua página, porque as tags do cabeçalho não estão bem otimizadas.

Matt Cutts disse que não importa se você usa H1 or H2. O que importa é que sua página contenha conteúdo relevante e informação útil que irá atender às necessidades dos seus usuários.

Rand Fishkin também disse que estilos de cabeçalho não mais importam no mundo SEO de hoje, mas uma boa experiência do usuário.

A razão principal por que a maioria das pessoas se torna obsessiva com estilo <h1> no mundo do marketing da internet, é porque elas tem uma série de ferramentas e softwares para construir landing pages de alta conversão e a maioria delas pode criar uma simples página de HTML.

Mas nos segmentos não relacionados à internet, esses caras não se importam muito com tags de cabeçalho, mas eles ainda dão prioridade ao conteúdo. Essa é a razão pela qual eles se tornaram bem-sucedidos.

Como um todo, eu recomendo que você use tags de cabeçalho. Não porque você quer impulsionar os mecanismos de busca, mas porque isso irá criar uma experiência melhor com seus usuários. Eles navegarão em seu site mais facilmente, e saberão a diferença entre os títulos e o resto do texto.

Dependendo do seu tema ou template de WordPress, tags H1 – H3 irão quebrar grandes blocos de textos em blocos menores, mais fáceis de serem lidos e entendidos.

E lembre-se, quando seus leitores estiverem animados com o seu conteúdo e permanecerem, o Google irá te recompensar com melhores classificações de busca e aumentar seu tráfego.

Mitos Sobre SEO nº17.    Indicadores sociais não são fatores de classificação

Fazer links do Facebook, Twitter, e outras mídias sociais afetam a classificação? Os indicadores sociais são parte dos fatores de classificação do Google? Em um dos programas do Whiteboard Friday, Rand Fishkin respondeu à pergunta.

image64

Brian Dean fez um excelente trabalho destacando os 200 fatores de classificação do Google. Mas isso é tudo?

Eu acho que não. Métricas sociais desempenham um papel importante em reunir todos os outros fatores de classificação e fazê-los trabalhar juntos.

A parte boa sobre métricas sociais é que elas podem ser rastreadas e mensuradas com precisão, diferente da sua marca pessoal.

image35

Pessoalmente, acredito que exista uma correlação  entre o social e a busca. Ambos Google e Bing usam dados de sites sociais para determinar quão útil o site é, e onde classificá-lo.

O efeito dos indicadores sociais nas classificações pode não ser perceptível, porque eles não aumentam o PageRank de uma página em particular. Moz começou a ranquear para “guia SEO para iniciantes” logo após Smashing Magazine ter tweetado aquele post para milhares de seguidores.

image55

Embora a melhora na classificação possa não durar muito, quando usuários compartilharem sua página nas plataformas sociais, você irá experimentar um aumento considerável em seu tráfego.

image13

Shrusti também se beneficiou imensamente dos indicadores sociais. Ele foi da página 400 para a página 1, apenas por ser pró ativo e criar uma grande experiência para sua audiência.

image33

Perceba que leva tempo para ver a melhora no tráfego de busca e classificações, especialmente quando você foca apenas em indicadores sociais.

Eu recomendo que você use o SEO, blog e marketing de mídia social para aumentar o tráfego do seu site, enquanto você constrói sua marca pelo caminho.

Conclusão

Eu tive meu próprio caso de fracasso em SEO, mas eu estou sempre inspirado a aprender mais e desenvolver novas habilidades.

Ler outros blogs e adquirir conhecimento de outros profissionais de marketing de conteúdo pode te ajudar a descobrir sua própria paixão e abraçar a mudança. A web é uma plataforma dinâmica, acima de tudo.

Mas você tem que fazer isso com descrição. A maioria dos conselhos por aí afora não é baseada em um entendimento profundo sobre otimização dos mecanismos de busca e como os mecanismos de busca funcionam.

Estou certo de que esses 17 mitos sobre SEO te ajudarão a crescer o seu site e até mesmo encontrar melhores formas de atender seu público-alvo.

Você conhece outros tipos de mitos sobre SEO que mantêm os proprietários dos sites fora do crescimento do tráfego orgânico e das classificações?

Share