Os 5 Pecados Mortais da Otimização On Page Que Você Deve Evitar

pecados

Você está cometendo algum dos pecados de otimização On Page? Um grande número de profissionais de marketing está fazendo otimização On Page por causa dos benefícios esperados, mas se você não estiver desenvolvendo corretamente, pode acabar fazendo mais mal do que bem.

De acordo com MediaPost, 61% dos profissionais de marketing corporativos citam a geração de leads e tráfego como principal motivo para investimento de tempo e recursos em SEO. A busca orgânica gera 51% de todos os visitantes para sites de B2B e B2C, enquanto a busca paga impulsiona 10% e o tráfego social 5%.

Claro, os usuários de busca preferem clicar nos resultados orgânicos. E se a sua página está posicionada no topo dos resultados de busca (SERPs), você definitivamente vai ter uma maior taxa de cliques (CTR) e mais tráfego para seu site. Mas para que isso aconteça, em primeiro lugar você tem que trabalhar a sua página.

Se você deseja obter os melhores resultados, você tem que entender e abraçar os dois lados do SEO. Eles são:

  1. Otimização On Page
  2. Otimização Off Page 

No artigo de hoje, nosso foco está no primeiro.

Enquanto a otimização Off Page é onde tantos começam, a otimização On Page – o que acontece dentro do seu site ou blog – é o alicerce que você deve construir antes de pensar em backlinks e tráfego.

Essa base forte é o que, eventualmente, melhora seu posicionamento na busca orgânica e o leva para a posição número #1, onde você vai ter um CTR de até 36,4%:

image29

Quando você tiver uma base forte do seu site, mesmo que você não seja um especialista em otimização Off Page ou na construção de links de qualidade, você ainda vai gerar uma quantidade razoável de tráfego de busca e melhorar seus rankings orgânicos.  

Quando se trata de gerir o seu site, você não pode se dar ao luxo de cometer erros mortais de otimização On Page. Isso só irá custar mais tempo e recursos para corrigir.

Você está fazendo otimização On Page? Então faça o download deste checklist com os 5 pecados mortais da otimização On Page que você deve evitar.

Sem mais delongas, aqui estão 5 pecados mortais que podem causar estragos no seu tráfego de busca, rankings orgânicos e experiência do usuário no seu site. Eu também vou te mostrar como corrigir esses pecados, de modo que suas páginas possam ocupar seu lugar de merecimento nos motores de busca.
Vamos ao que interessa: 

1. Não usar dados e análises para ver o que converte

Se você não está usando dados e análises para ver o que converte, você está cometendo um erro. E, mais cedo ou mais tarde, você vai ser esmagado pela concorrência. Para evitar isso, você tem que começar a usar o Google Analytics para acompanhar o seu site.

Quando você for capaz de aproveitar os dados a partir de uma ampla gama de fontes e analisá-los, você vai ser capaz de levar o seu site para um nível de sucesso.

image08

Existem várias maneiras que você pode aumentar o tráfego do site e sua taxa de conversão, mas você está apenas desperdiçando tempo e recursos se você não está usando o Analytics. O Analytics te ajuda a descobrir exatamente como está a performance do site.

Brian Gavin Diamonds, um joalheiro do Texas, viu um aumento de 60% nos checkouts dos clientes utilizando dados de e-commerce no Google Analytics. A empresa foi capaz de otimizar os títulos e descrições dos produtos usando os mesmos termos que seus clientes estão procurando, melhorando assim o seu desempenho nos motores de busca.

image28

A Trygg-Hansa usa experiências de conteúdo para gerar 15% mais visitantes dentro do seu funil de conversão. Eles foram capazes de descobrir exatamente que tipo de conteúdo animava os visitantes do site. Você está criando o conteúdo que seus visitantes querem?

image15

Quando você adiciona um novo post, ela se torna uma página que irá, ao longo do tempo, fornecer informações sobre os leitores que vêm de motores de busca e outros canais. Obter insights ou feedback dos seus clientes potenciais e clientes ajuda a diferenciar a sua marca da concorrência.

Uma pesquisa estatística da Econsultancy revela que a busca orgânica leva 41% do tráfego para sites de B2B. Cerca de 90% desse tráfego vem do Google, enquanto a mídia social contribui com uma média de apenas 5% de todo o tráfego e leads.

Mas essa estatística pode não se aplicar ao seu site. A única maneira de saber qual a porcentagem de tráfego orgânico do Google com alguma certeza é através do rastreamento do Google Analytics.

De acordo com o SiteImprove, a análise e a documentação do comportamento do usuário ajudam a demonstrar o retorno sobre o investimento (ROI) do seu site. Com sua análise, você pode tomar melhores decisões sobre como crescer o seu negócio.

Com o Google Analytics, por exemplo, você pode medir, analisar e otimizar suas páginas e conteúdos, a fim de impulsionar o engajamento certo para o seu negócio.

image04

O tráfego do seu site não é criado de uma maneira ou de uma fonte apenas. Se você quer que sua otimização On Page produza melhores resultados, você tem que se concentrar no tráfego que provavelmente irá converter em vendas.

Certos fatores fazem uma página bem otimizada e pronta para os usuários. Este gráfico da Moz mostra uma visão geral desses fatores:

image31

Como você otimiza suas páginas de conteúdo para que elas possam converter visitantes em leads e clientes? Bem, você pode começar por compreender os principais aspectos da análise que são importantes para o seu negócio. Evan Carmichael explica:

image36

Sim, o Google Analytics mostra percepções relativas aos seus clientes e o que eles estão respondendo. Mas você também pode descobrir o que não funciona, o que pode poupar ainda mais tempo e dinheiro e mantê-lo no caminho certo.

E se você descobrir através do Google Analytics que sua taxa de rejeição é alta? O que isso significa para o seu site?

A taxa de rejeição alta pode significar várias coisas. No entanto, geralmente é um sinal de que o seu conteúdo não é útil para o usuário ou que o seu site é lento.

Um conteúdo de baixa qualidade pode levar seus usuários embora. De acordo com o Consumer Insight Group, “83% dos usuários do serviço ao cliente através das mídias sociais, desistiram de uma compra depois de uma experiência ruim.”

image19

Mesmo se você não está vendendo produtos no seu site, uma má experiência pode desencorajar os usuários de busca a voltarem ao seu site.

Os dados de análise que você pode usar para tomar melhores decisões de conteúdo incluem:

Fontes de tráfego: É arriscado ter apenas uma fonte de tráfego. Em vez disso, seu objetivo deve ser ter várias fontes de tráfego, incluindo a busca orgânica, mídia social, referência e fontes diretas.

Para descobrir exatamente quanto tráfego cada um desses canais está enviando para o seu site, faça login no Google Analytics. No lado esquerdo, clique em Aquisições> Todo o tráfego> Canais:

image11

Esses visitantes que chegam ao seu site se dividem em três categorias principais:

image01

A partir da imagem do Google Analytics, podemos ver que o tráfego orgânico é responsável por mais de 2.000 sessões no mês de setembro, seguido pela fonte “Direta”, que enviou 1.027 visitantes para o site.

Fontes sociais só levaram a 12 sessões de tráfego para o site, o que é um mísero 0,29%. Se eu decidir usar esse insight, isso significa que eu deveria criar um conteúdo mais compartilhável, e garantir que os botões de compartilhamento sejam visíveis e atraentes.

A importância de acompanhar o desempenho de um site é relevante para qualquer mercado. Não são apenas os profissionais de marketing digital que estão se beneficiando com análises e acompanhamento eficaz; até mesmo o setor educacional – por exemplo, a Universidade de Harvard – usa o Google Analytics para aumentar a consciência.

A Divisão de Educação Contínua da Universidade de Harvard fez uma parceria com a LunaMetrics para criar mais consciência e expandir o alcance da Harvard Summer School e Harvard Extension School.

image16

A divisão tinha um objetivo definido: Aumentar o conhecimento e as inscrições para os seus programas de desenvolvimento profissional.

A LunaMetrics ajudou a Harvard, adicionando o código do Google Analytics nos sites em questão. Eles então passaram a extrair informações de tráfego que poderiam ajudar a Harvard a alcançar seus objetivos.

Especificamente, a divisão foi então capaz de otimizar as páginas do programa para direcionar o tráfego orgânico mais qualificado. Eles também criaram páginas com tópicos relevantes e com marcação estruturada, melhorando a sua capacidade de direcionar consultas de busca mais amplas.

Depois de alguns meses, os sites cresceram suas visitas orgânicas de busca em 89%, e conseguiram um aumento de 75% no número de registros vindos das buscas orgânicas do Google.

2. Não otimizar para buscas locais

Se você não está otimizando suas páginas para termos de busca local, você está perdendo um segmento de audiência significativo e potencialmente lucrativo para sua empresa.

A oportunidade de impulsionar rankings de busca local, por meio da otimização on page para consultas de pesquisa locais continua a se mostrar como uma das estratégias de conteúdo mais eficazes nos últimos anos. Aqui estão alguns dos fatores não científicos de ranking local do David Mihm. Você deve prestar atenção se você realmente deseja melhorar sua classificação para buscas locais. (Veja a lista completa no site do David aqui.)

image17

De acordo com o Search Engine Watch, “50% de todas as buscas móveis são realizadas na esperança de encontrar resultados locais, e 61% dessas buscas resultam em uma compra.”

As estratégias de palavras-chave continuam a evoluir, especialmente após o lançamento do algoritmo Hummingbird.

A grande tendência da otimização on page este ano está em prestar atenção na intenção do usuário por trás de uma palavra-chave. Se 50% dos usuários móveis estão à procura de informações locais, isso significa que a inclusão do seu horário de funcionamento, endereço físico, e números de telefone dentro do seu site é uma maneira de começar a sua otimização on page local.

O Google Pigeon foi a principal atualização que mudou a forma como a otimização on page local deve ser feita. No passado, qualquer um poderia inserir algumas palavras-chave geográficas específicas na página. E aí: boom – seus rankings subiam rapidamente. Mas agora as coisas são bem diferentes.

Lançado em 24 de julho de 2014 para resultados de busca dos Estados Unidos em Inglês, a atualização Pigeon visa proporcionar uma busca local útil, relevante, atual e precisa. Segundo o Google, a atualização melhorou a eficácia dos seus parâmetros de classificação local.

Agora que a atualização Google Pigeon foi lançada no Reino Unido, Canadá e Austrália, é importante se certificar de que sua abordagem esteja seguindo as melhores práticas locais de SEO, não importando em qual parte do mundo você esteja.

Então, como você otimiza para buscas locais sem ser penalizado?

Não há uma solução universal. Mesmo um erro inocente em sua otimização On Page poderia enviar sinais negativos para o Google.

No entanto, há coisas básicas que você pode fazer para garantir que você não está exagerando no uso de palavras-chave, mas sim otimizando suas páginas para o benefício dos usuários.

Concentre-se em um objetivo definido: Se você estiver focado na métrica certa, você estará no caminho para aumentar sua receita – que é o objetivo final da execução de uma campanha de SEO local.

image35

“Eu quero mais tráfego” não é nem uma resposta definitiva, nem uma meta de negócios adequada.

Você pode ter todo o tráfego no mundo, mas se ele não cumprir um dos seus objetivos de conversões ou educação, então ele provavelmente não está ajudando,  diz Casey Meraz do Moz.

Quando se trata de segmentação de palavras-chave e otimização on page do conteúdo para o usuário, você deve se concentrar em palavras-chave específicas e valiosas.

Por exemplo, palavras-chave que são pesquisadas por usuários locais provavelmente vão gerar visitantes mais qualificados e clientes para o seu site. De fato, estudos recentes descobriram que 60% dos pesquisadores locais adicionam o nome da cidade nos seus termos de busca, e 42% dos pesquisadores locais adicionam um código postal.

Image23

Em termos simples, essas pessoas sabem exatamente o que estão procurando. Dependendo do seu mercado ou o tema do seu site, é fácil encontrar palavras-chave e frases que tenham nomes de cidade ou CEP nelas.

Vamos ver como isso é feito:

Faça um login no Planejador de Palavras-Chave do Google AdWords. Digite a sua palavra-chave principal + nome da cidade (ou nome do estado). Por exemplo:

web designer + New York

image22

Em seguida, clique na guia “Ideias de Palavra-chave” para revelar os termos de busca local:

image30

As palavras-chave acima são referidas como palavras-chave de segmentação geográfica, porque elas estão segmentando para um determinado local geográfico (por exemplo, New York).

Quando as pessoas acrescentam um estado ou nome de cidade nas suas palavras-chave, elas estão esperando que o Google lhes forneça os resultados de busca certos. Um estudo recente da Search Engine Land mostrou que 38% dos usuários esperam que o Google retorne resultados locais com base em sua localização.

image14

Marcas e profissionais de marketing que têm utilizado palavras-chave com segmentação geográfica, têm visto uma melhora significativa em suas conversões de busca. Por exemplo, a equipe da Hauser-Ross Eye Institute & Surgicenter decidiu lançar a sua primeira estratégia de otimização on page através da implementação de ambas as buscas – paga e SEO, baseadas em localização.

image32

Especificamente, eles decidiram criar campanhas de conteúdo em torno de várias palavras-chave de segmentação geográfica.

Então, ao invés de atacar o termo altamente competitivo “cirurgia lasik”, a equipe descobriu que a inclusão de “cirurgia lasik + localização” ou um lugar próximo gerou mais usuários de busca que estavam à procura de locais nas proximidades e, portanto, eram mais propensos a converter em pacientes.

Como resultado dessa abordagem de SEO local, a equipe viu um aumento de 333% na receita e um aumento de 61,6% no tráfego orgânico anual. Eles também aumentaram os rankings de busca para cerca de 439 palavras-chave.

Otimize seu NEL (nome, endereço, local): Em Janeiro de 2015, Joost de Valk pediu sua audiência do Facebook para postar perguntas para o Kristopher Jones (fundador da LSEO.com, um consultor de SEO local para empresas) sobre estratégias de otimização on page local.

Em resposta a uma dessas perguntas, Jones deu uma resposta que pode redefinir a forma como você se aproxima do SEO local: “Proteja a sua página Google Meu Negócio (anteriormente Google+ Local e Locais do Google – confuso, eu sei) no https://www.google.com.br/business/ e siga os passos específicos para sua página ser verificada pelo Google. Eu não posso enfatizar o quanto é importante que você verifique com sucesso sua página”.

image37

Depois de verificar o seu negócio com o Google, você tem que otimizar suas páginas, a fim de impulsionar o engajamento. Comece por categorizar seu negócio unicamente nas categorias onde oferecem seus melhores serviços.

Tendo feito isso, em seguida, você deve otimizar o nome da empresa, endereço e local, de modo que, quando os usuários procurarem um negócio relacionado ao seu, na sua localização geográfica, sua listagem aparecerá.

Por exemplo, aqui estão alguns anúncios típicos do Google Meu Negócio que foram otimizados para o NEL (nome, endereço, local):

image26

Você também tem que escrever um texto atraente sobre seu negócio e serviços.

O Jones recomenda que você solicite alguns comentários positivos sobre o seu negócio dos clientes satisfeitos, pois isso sinaliza para o Google que sua página atrai engajamento.

Além disso, trate a sua página do Google como se fosse o seu próprio site. Isso significa que você tem que escrever um texto com a única intenção de atrair o seu cliente potencial. Se o seu cliente potencial eventualmente foi atraído para o seu site, ótimo – mas se não, você não perdeu nada.

Em resumo, focar num objetivo definido e otimizar o seu NEL (nome da empresa, endereço e local) no Google Meu Negócio, lhe dará uma vantagem sobre seus concorrentes que ignoraram essa prática de SEO local.

Mas apenas duas estratégias podem realmente aumentar rankings e tráfego orgânico local? Muitos estudos de caso provam que a resposta dessa pergunta é um enfático “sim”.  

Por exemplo, a Milestone Insights compartilhou um estudo de caso sobre como melhorar o desempenho de busca local de um cliente. Após a realização de um estudo de otimização do Google Places, os resultados foram monitorados e os dados foram comparados com o mês antes da otimização.

image00

Em apenas 30 dias, o cliente experimentou uma melhoria significativa no ranking de busca orgânica, passando da nona para a terceira posição na páginas de resultados locais do Google. Além disso, o cliente viu:

  • Um aumento de mais de 18.000 impressões locais do Google
  • Redução da taxa de rejeição do site em 6%
  • Ações no Google Places aumentaram em 200%
  • Aumento de 5% nos novos visitantes únicos do site

No geral, eles vão continuar a gerar tráfego de busca orgânica e impulsionar seus rankings nos meses por vir.

Nota: Verificar o seu negócio no Google Meu Negócio pode parecer uma estratégia de otimização Off Page – e isso é tecnicamente correto, uma vez que está relacionado com atividades que acontecem fora do seu site.

Mas considere o exemplo mais óbvio de uma campanha Off Page – a construção de backlinks de outros sites. Qualquer tentativa de melhorar seus rankings no Google precisa incluir o Google Meu Negócio, por estas razões:

  • Sua empresa precisa ter um nome (nome comercial ou nome de domínio).
  • Sua empresa precisa de um endereço físico (em sua cidade).
  • E sua empresa precisa estar em um lugar onde os potenciais clientes possam encontrá-lo (por exemplo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte).

Use as palavras-chave segmentadas por área geográfica na página inicial do seu site; inclua o endereço do escritório, nome da empresa, endereço da cidade e números de telefone no seu cabeçalho e rodapé; e crie páginas de serviços para segmentar suas principais palavras-chave e o nome de sua cidade para ajudar o Google a entender onde o núcleo do seu público local está localizado.

Você também deve atualizar seus metadados e manter a criação de conteúdo útil que vai motivar outras pessoas a linkarem para você.

Se você fizer a otimização On Page de forma eficaz, ao direcionar para as palavras corretas, você vai continuar a gerar tráfego orgânico para o seu negócio, resultando em mais leads e clientes. Isso não vai acontecer da noite para o dia, ou até mesmo em um mês, mas se você o fizer, vai obter resultados.

3. Ter tags de título e meta descrições duplicadas

Uma das técnicas que eu usei para gerar 5 milhões de visitantes para a Gawker Media foi reduzir as incidências de conteúdo duplicado. Em alguns casos, descobrimos que o Google não estava puxando os slogans do site como meta descrições corretamente.

image21

Isto resultou em uma grande quantidade de conteúdo duplicado. Mas ao elaborar cada página com títulos e descrições únicas, eliminamos o erro de conteúdo duplicado e pudemos passar para outras práticas de otimização On Page.

Meta descrição e tags de títulos podem estar esquecidas, mas é hora de trazê-las de volta. Tags de títulos definem o título da página. O comprimento ideal para motores de busca é entre 50 – 60 caracteres.

image13

A meta descrição é um resumo do conteúdo da página que aparece nos motores de busca. Por exemplo, quando eu procurei por “métricas de engajamento de mídia social”, as listagens orgânicas exibiram a tag título e meta descrição. Dê uma olhada:

image06

Matt Cutts, chefe de Busca Spam do Google, disse neste vídeo que você deve tomar medidas para eliminar meta descrições duplicadas nas páginas do seu site.

image25

Cutts disse que ele não se incomoda em escrever meta descrições sempre que ele escreve um novo post. É importante entender, no entanto, que ele não está te desencorajando de fazer isso, mas você tem que se certificar que suas descrições sejam únicas e relevantes.

Claro, se você tem milhares de páginas no seu site, você não pode realmente ser capaz de escrever descrições únicas para todas elas. Nesse caso, Cutts sugere que você identifique e trabalhe as páginas mais relevantes visíveis aos motores de busca, o que ajudará os usuários de busca a tomarem as decisões corretas.

Em 2007, o Google afirmou em seu Webmaster Central Blog que metadados precisos certamente irão melhorar a sua taxa de cliques, mas não seus rankings de busca. Em 2009, a empresa reiterou a afirmação de que meta tags de palavras-chave não são usadas em seu algoritmo de ranking.

Mesmo que, por vezes, usamos a tag de meta descrição para os trechos que mostramos, nós ainda não usamos a tag de meta descrição no nosso ranking.

Como resultado dessas declarações do Google, muitos profissionais de marketing, profissionais de SEO, e donos de sites têm ignorado meta descrições e tags de título. Isso é um erro.

Meta descrições otimizadas são importantes para o seu desempenho de busca. Como o CTR depende de um processo de classificação do algoritmo, isso significa que – assumindo que sua meta descrição seja única, atraente e relevante – mais usuários de busca irão clicar na sua página e o Google, por sua vez, irá melhorar seus rankings para ela.

O macete para meta descrição e tags de título é simples: pense menos em SEO e muito mais sobre a taxa de cliques. Concentre-se em garantir que quando você aparecer nos resultados de busca, os usuários não serão capazes de resistir ao clique.

Matt Cutts disse que, em vez de otimizar todas as suas páginas com meta descrições e tags de título únicas e relevantes, você deve se concentrar nas páginas importantes. Mas a questão é: “quais páginas são importantes e quais não são?”

Isso pode ser difícil de responder, especialmente se todas as suas páginas já estão indexadas e gerando tráfego orgânico.

Penso que, se possível, você deve fazer uma meta descrição única para cada página do seu site. Como esse campo tem 160 caracteres, ele irá enviar mais sinais para os motores de busca do que as tags de título, já que o campo de título tem apenas 50 – 60 caracteres.

Eu também acredito que você deve usar meta descrições únicas porque as suas principais palavras-chave estão em negrito nos resultados de busca. Por exemplo, quando eu procuro empregos para trabalhar de casa, a palavra-chave principal fica em negrito nos resultados orgânicos de busca:

image09

Eu não acho que as meta descrições e tags de título duplicadas farão com que seu site seja penalizado. O Google nunca disse isso, e a Moz diz que isso não pode te penalizar.

Mas, no entanto, muitas duplicações poderiam ser um grande problema para o desempenho de busca. Você vai trabalhar mais para classificar suas páginas, e todos os seus links de autoridade poderiam sofrer como resultado.

A fim de se livrar dessas duplicações de uma vez por todas, primeiro você precisa encontrá-las em suas páginas. Como você faz isso?

Basta fazer login na sua conta do Google Webmaster Tools > Aspecto da Pesquisa > melhorias de HTML. Se você tiver quaisquer duplicações, você vai encontrar algo semelhante a isto:

image02

Clique nos links azuis “meta descriptions duplicadas” para revelar as páginas exatas que têm os mesmos textos e estrutura.

Você poderá gastar um pouco de tempo se você tiver muitas duplicações. Você pode baixar o Screaming Frog Web Crawler e usá-lo para rastrear 500 páginas gratuitamente. Com essa ferramenta, você pode encontrar uma grande quantidade de dados a partir das suas páginas e identificar páginas com conteúdo duplicado, também.

Se você é um usuário do WordPress, você pode usar o All-In-One SEO pack ou Yoast SEO para editar os posts com meta dados duplicados. Simplesmente role a página e atualize suas meta tags.

image05

Grandes descrições vão melhorar o CTR dos seus resultados de busca. Manzur Ashraf consertou com sucesso uma meta descrição duplicada para um de seus clientes – você pode ler o estudo de caso neste link. A SEOPressor aumentou seu tráfego em 286% com as meta descrições de conteúdos e tags de título únicas.

image18

E a Dipendra aumentou os visitantes orgânicas da Imgup.io em mais de 100% em duas semanas, eliminando descrições e títulos de conteúdos duplicados, bem como mapeando uma nova estratégia de conteúdo.

Se você não escrever metadados únicos, o Google pode decidir retirar do texto da página a partir das primeiras linhas de seu artigo. Ou ele vai mostrar seus rankings sem descrições mesmo – o que é ainda pior.

4. Usar o mesmo texto âncora para páginas internas

Outro erro de otimização On Page que eu vejo um monte de pessoas cometerem é usar o mesmo texto âncora ao criar links para as páginas internas do site. Só para começar, o texto âncora é o texto clicável em um hyperlink.

Na otimização on page moderna, o Google tem algumas regras sobre o tipo de texto âncora que você deve usar. A regra geral é que o seu texto âncora deve ser relevante para a página que ele está apontando.

O texto âncora será semelhante ao exemplo abaixo no código HTML de qualquer site:

<a href=”http://www.marketingprofs.com”>Fórum de Profissionais de Marketing</a>

Ter muitos links de texto âncora ricos é uma coisa ruim. Mas a pergunta é, qual é a quantidade ideal? Bem, é difícil dizer, mas este post sobre um estudo de caso de texto âncora do Penguin nos diz que você pode realmente obter uma boa classificação sem a construção de links que sejam muito ricos.

Como prova de que isso funciona, o site Doctor360.com construiu 13 links em 2013 utilizando os seguintes textos âncora que não são ricos ou direcionados para suas principais palavras-chave:

  1. Aqui
  2. Doutor 650
  3. Meu site
  4. Dissecando a Pontuação de Crédito 650
  5. Aqui
  6. Recursos em 650 pontuação de crédito
  7. Doctor650.com
  8. http://www.doctor650.com/ (link no-follow do YouTube)
  9. clicando aqui
  10. Doctor650.com
  11. Aqui
  12. Doctor650.com
  13. pontuação de crédito 650

Esses não são textos âncora ricos. Mas dentro dos primeiros 54 dias (quase 2 meses desde que o site foi lançado), começaram a classificar nos quatro melhores resultados para a palavra-chave “pontuação de crédito 650.”

Isso diz que você pode classificar no top 10 para qualquer termo de busca do Google, mesmo se o seu site seja novo. Você apenas tem que se certificar de que seus textos âncora sejam únicos e relevantes para a página que você está enviando os seus usuários.

Quando se trata de links internos, você também tem que ter certeza de que seus textos âncora não sejam mais ricos do que 30%. Em outras palavras, varie as palavras-chave ou textos que você esteja usando para suas páginas internas.

Usar o mesmo texto âncora para linkar para várias páginas internas é uma das melhores práticas de Otimização On Page? Matt Cutts respondeu à pergunta neste vídeo do YouTube para ajudar os proprietários de sites a prestar mais atenção aos textos âncora naturais.

image34

Especificamente, Cutts disse que usar o mesmo texto âncora para linkar para várias páginas internas, não irá afetar seus rankings de busca.

Ele observou que, se você tem um site regular com várias páginas, normalmente você vai linkar para as páginas internas dos seus posts usando o mesmo texto. Esses links não vão colocar o seu site em risco de uma grande penalidade.

No entanto, para a maior parte, a experiência do usuário é o aspecto mais importante, tanto para o design do site quanto para criação de conteúdos.

Então, pense nisso: Como você se sentiria se você estivesse lendo um post, e cada link que você vê que aponte para uma página interna (talvez um post relacionado no blog), tenha o mesmo texto âncora (por exemplo, ferramentas de SEO)?

Você clicaria nesses links de qualquer maneira? Eu acho que depende. Se o conteúdo for útil, você pode decidir ficar e obter a informação, mas a experiência global pode estar te empurrando para uma direção diferente.

Assim, para construir uma experiência do usuário que vai manter seus visitantes animados e motivados para clicarem nos seus links e lerem mais conteúdos, sempre altere o texto âncora para páginas internas. Acima de tudo, torne-os relevantes para o tema da página que os visitantes irão clicar.

Basta dar uma olhada no meu post recente. Cada um dos textos âncora para links de uma página interna é único, flui sem problemas no conteúdo, e é relevante para a página de destino.

image27

Linkagem interna por si só pode impulsionar seus rankings de busca. É por isso que você tem que usar os textos âncora da maneira certa, que não sejam somente originais, mas também úteis para o usuário.

Um estudo realizado pelo Maestro sobre como as pessoas usam textos âncora em links internos, revelou alguns dados que você pode utilizar. Os dados foram extraídos de mais de 280.000 linkagens internas, e mais de 3.000 domínios de sites regulares e e-commerces foram utilizados no estudo.

O estudo constatou que 77% do texto âncora para os links internos são de 1 a 3 palavras, enquanto 53% dos links externos também são 1 a 3 palavras.

image07

A partir desses dados, você pode ver que os links internos têm um peso muito grande, devido ao seu poder de influenciar a sua classificação.

5. Baixa qualidade, conteúdo do blog que não está bem formatado para usuários

produção de conteúdo envolvente é um desafio que 52% dos profissionais de marketing B2B enfrentam. E o motivo de ser um desafio, é porque é preciso tempo para criar conteúdo que converte.

image03

É possível gastar 2 a 4 horas e ainda não ser capaz de criar um conteúdo que vai te ajudar a construir o seu negócio. Se você quiser escrever um artigo de 2.000 palavras, você tem que seguir um plano comprovado e criar um esboço que você pode seguir.

É melhor aprender como escrever posts orientados por dados do que regurgitar o que já foi escrito.

Regurgitar” é uma palavra da medicina que significa um fluxo para trás. Por exemplo, o vômito é o regurgitar de alimentos a partir do estômago de volta até o esôfago. Isso não é claramente uma coisa boa, e alimentos regurgitados têm menos valor nutritivo.

Da mesma forma, o conteúdo regurgitado é de baixa qualidade e muito menos valioso para você e seus usuários.

Seus usuários merecem a melhor informação que você pode dar. Você já ouviu inúmeras vezes que “o conteúdo é rei”, mas eu gostaria de parafrasear isso dizendo que “o conteúdo útil e bem formatado é rei.”

As chances são de que uma parcela significativa do seu público-alvo estar dentro dos Millennials (pessoas 18 a 34 anos de idade). Eles são um grupo demográfico chave para a maioria dos profissionais de marketing e eles têm uma forte influência se o seu conteúdo será compartilhado ou ignorado.

De acordo com News Creed Survey de 2014, dois dos fatores que apelam para a geração do milênio são a originalidade e a moeda (ou seja, se ele é relevante para os eventos atuais ou necessidades presentes).

image24

Sempre que você regurgitar conteúdo, você diminui a confiança que as pessoas têm em você. Conteúdo regurgitado é o conteúdo que já foi escrito por outra pessoa, e você só reescreveu sem acrescentar nada de novo.

Às vezes, é claro, você terá que escrever sobre o mesmo tema que outros blogueiros estão escrevendo, mas você tem que ser criativo nesse processo. Por exemplo, os temas abordados pela maioria dos posts que eu publiquei no Neil Patel e QuickSprout já foram escritos pelo Moz, Search Engine Journal e outros blogs de SEO com autoridade.

Então eu tive que ir além e adicionar recursos visuais para os meus posts – gráficos relevantes, por exemplo. Eu também atualizei os meus posts com informações mais atuais e escrevi de forma mais aprofundada.

Mas a minha marca não é a única que está se beneficiando de bons conteúdos. Outras marcas estão silenciosamente construindo uma forte base de audiência e de clientes com marketing de conteúdo puro e original.

Por exemplo, a Distribion, uma empresa de automação de marketing que começou a criar uma biblioteca de recursos no seu site, publicou cerca de 228 posts de blog úteis, produziu 8 whitepapers, e criou relacionamento com parceiros estratégicos para aumentar o volume de conteúdo. Como resultado, a sua taxa de conversão melhorou.

image12

A empresa realizou um webinar e atraiu 500 participantes através de seus posts. A empresa também tem 7 palestras e 13 artigos em jornais como The Wall Street Journal, Forbes e PC World.

Como resultado de todos estes esforços, a Distribion passou de menos de 5.000 visitantes semanais para mais de 170.000. Mas isso não é tudo – a receita da empresa também cresceu em 40%.

Você pode usar a técnica do arranha-céu para criar conteúdo exclusivo e de alto valor a qualquer momento, independentemente de quantos blogueiros ou sites tenham escrito sobre o tema.

Se você quiser crescer a sua marca, você também tem que levar seu conteúdo para um nível acima, através da criação de conteúdo personalizado que irá responder às perguntas que seu público-alvo esteja fazendo. Afinal, 61% das decisões de compra dos consumidores são influenciadas por conteúdos personalizados.

image10

Nota: o conteúdo regurgitado não é exatamente o mesmo que conteúdo duplicado, mas é semelhante ao conteúdo de baixa qualidade. E você sabe que a atualização Panda vai continuar a procurar por esses conteúdos que fornecem nenhum valor e empurrá-los mais para baixo na lista de resultados.

Se o seu conteúdo é útil, mas não devidamente formatado para o usuário, ele não vai ter um resultado ideal. Grandes pedaços de texto desencorajam as pessoas a lerem seus posts. Aqui está um exemplo:

image20

Em vez disso, o seu conteúdo deve ser formatado da seguinte maneira:

image33

A diferença é visualmente óbvia. O primeiro possui apenas um parágrafo, com nenhum espaço em branco. O segundo é atraente, fácil de ler, e muito provavelmente irá construir confiança com o leitor.

Estes recursos serão de grande ajuda para você:

Conclusão

Para muitos sites de negócios, uma pequena melhora nos rankings de busca e tráfego poderia fazer uma grande diferença na geração de leads, engajamento do blog, e receita. Tudo começa em “casa” com a Otimização On Page.

Otimização On Page não é um atalho para manipular os motores de busca. É simplesmente como você faz suas páginas úteis e legíveis para os seus leitores e os motores de busca.

Seu principal objetivo deve ser o de posicionar seus resultados de busca, para que os clientes potenciais possam clicar e visitar o seu site.

Os motores de busca não têm cartões de crédito para comprar o seu produto e também não assinam sua lista de e-mail. Mas as pessoas podem fazer isso. Então, pare de otimizar suas páginas apenas para o Google. Foque nos usuários que possuem cartões de crédito para comprar seus produtos e endereços de e-mail para se inscreverem na sua lista. Eles são os únicos com que o Google se preocupa.

Quais outros erros ou pecados de otimização On Page que você cometeu no passado, e o que você aprendeu com eles?

Share